'Cinco 5 vezes por dia não era suficiente', diz mulher com transtorno de vício em sexo

 O vício em sexo divide a opinião de especialistas, mas para algumas pessoas é uma condição bastante real que pode ser vergonhosa e até "destruidora de vidas". A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) deve incluir, em maio de 2019, o "transtorno do comportamento sexual compulsivo" em sua lista da Classificação Internacional de Doenças.

Enquanto isso, no Reino Unido, a instituição beneficente de apoio a relacionamentos Relate tenta viabilizar suporte às vítimas por meio do sistema público de saúde, o NHS.

Atualmente existem terapias e trabalhos em grupo disponíveis nessa área, mas a maior parte é paga.

"Para alcoólatras, há o Alcoólicos Anônimos, mas eles também podem ir ao NHS, que dá apoio a quem tem problemas com álcool ou drogas", diz Peter Saddington, da Relate.

"Os viciados percebem que estão causando danos, mas não conseguem parar e reconhecem que precisam de ajuda para mudar isso."

"Seria apropriado que viciados em sexo também pudessem ir ao seu médico de família para obter apoio, porque isso tem um efeito devastador sobre eles, sobre seus relacionamentos, sobre suas famílias, sobre sua situação financeira e saúde mental".

A seguir, duas pessoas que sofrem do vício relatam como o transtorno afetou suas vidas:

Rebecca Barker, de 37 anos, diz que dependência em sexo arruinou seu relacionamento e a levou a se isolar (Foto: Arquivo Pessoal)

'Passei a evitar a convivência com outras pessoas, me isolei'

"Até fazer sexo cinco vezes ao dia não era suficiente", diz Rebecca Barker, mãe de três filhos, que viu a compulsão tomar conta de sua vida em 2014. E arruinar seu relacionamento.

Por causa do vício, ela ficava constantemente pedindo para fazer sexo com o parceiro.

"Era literalmente a primeira coisa em que eu pensava quando acordava. Eu simplesmente não conseguia tirar isso da cabeça", diz a mulher de 37 anos, originalmente de Tadcaster, em North Yorkshire, na Inglaterra.

"Eu sentia que tudo remetia a isso. Acho que tinha a ver com minha depressão e com a falta de serotonina. Eu sentia como se meu corpo inteiro estivesse desejando isso".

"Me dava uma satisfação instantânea e cinco minutos depois eu queria (sexo) de novo."

"Passei a evitar a convivência com outras pessoas, me isolei. Ficava em casa porque me sentia envergonhada por só conseguir pensar naquilo. Mesmo que ninguém pudesse ler minha mente, ainda me sentia muito desconfortável por estar perto de outras pessoas."

A dependência de Barker trouxe sérios problemas a seu relacionamento. Embora seu parceiro tenha gostado da situação no início, ela acabou se tornando insuportável.

"Ele estava bem com isso no início, mas no final não conseguia entender de jeito nenhum. Depois de alguns meses, começou a levantar questões sobre as causas, sobre de onde isso vinha.

"Ele me acusou de ter um caso - pensava que eu deveria estar me sentindo culpada e que queria fazer sexo com ele para compensar."

'Cinco 5 vezes por dia não era suficiente', diz mulher com transtorno de vício em sexo

Rebecca: "Mudei muito meu estilo de vida para superar a depressão e o vício, e acho que tem funcionado" (Foto: Arquivo pessoal)

Em novembro de 2014, Barker "precisou de um tempo" no relacionamento e foi ficar com a mãe.

"Quando saí, disse ao meu parceiro que precisava melhorar. Ele me deixou ir e nosso relacionamento acabou muito rapidamente depois disso.

"Eu estava sob os cuidados de um psiquiatra na época - ela dizia com frequência que mudaria minha medicação, mas nunca disse que havia algum grupo de apoio (para pessoas com esse tipo de problema) ou algo assim."

Barker foi diagnosticada com depressão em 2012 após o nascimento de seu terceiro filho. Ela disse que depois de a doença ter se intensificado em 2014, mudou de emprego, se separou do parceiro e se mudou para a França.

"Mudei muito meu estilo de vida para superar a depressão e o vício, e acho que tem funcionado", disse ela.

O que é vício em sexo?

'É como ser um alcóolatra - e não há nada de sexy nisso'

Graham - nome fictício para proteger sua identidade na reportagem - disse que sua compulsão o levou a trair sua esposa com "centenas" de profissionais do sexo e que isso o deixou com uma "culpa enorme".

"Quando você está completamente viciado, fica obcecado e só pensa nisso - da hora em que acorda até ir dormir."

"Foi uma experiência horrível e asquerosa - não há nada de sexy nisso. Quando você acorda de manhã com clamídia (doença sexualmente transmissível), não é sexy."

"É prejudicial e destrói a vida."

Graham, que tem cerca de 60 anos, estima ter pagado centenas de libras mensalmente por sexo, durante vários anos, mesmo tendo construído relacionamentos com algumas das garotas de programa.

"O que começou com um caso no trabalho levou a outro - mas, ao contrário da maioria dos casos de escritório, o meu era um vício que eu tinha de alimentar todos os dias."

"Você tem um caso e depois quer outro e outro."

"Logo percebi que o jeito mais rápido e conveniente de alimentar meu vício era pagar por isso. Eu estaria com acompanhantes, profissionais do sexo, três ou quatro vezes por semana."

"É como ser um alcóolatra, é um ciclo que você constrói na sua cabeça - você cria toda uma expectativa imaginando como aquilo acontecerá - e você vai e faz conforme planejou."

Remorso

"E quando termina, vem o remorso, você diz que nunca mais vai fazer isso".

Graham parou de levar sua "vida dupla terrível" quando sua esposa descobriu um e-mail suspeito e o confrontou.

Ele buscou ajuda do Viciados em Sexo Anônimos (SAA, da sigla em inglês), que tem 78 grupos de autoajuda no Reino Unido, e disse que se absteve de sexo extraconjugal por vários anos.

"Quando fui descoberto, lembro de sentir algo como 'graças a Deus - alguma coisa pode mudar'."

"Eu fui ao SAA, que oferece um tratamento baseado na abstinência. Eu chamo de ir da vergonha à dignidade."

"É um grande alívio ir às reuniões e descobrir que há outras pessoas tão infelizes - e sórdidas - quanto você.

"Para as pessoas que estão nesta situação, eu só quero que saibam que há uma saída e que é possível quebrar o ciclo."

Artigos Recomendados